Hidden hunger in adolescent Mozambican girls: dietary assessment, micronutrient status, and associations between dietary diversity and selected biomarkers

Show full item record

Permalink

http://urn.fi/URN:ISBN:978-951-51-1899-8
Title: Hidden hunger in adolescent Mozambican girls: dietary assessment, micronutrient status, and associations between dietary diversity and selected biomarkers
Author: Korkalo, Liisa
Contributor: University of Helsinki, Faculty of Agriculture and Forestry, Department of Food and Environmental Sciences
Publisher: Helsingin yliopisto
Date: 2016-02-05
Belongs to series: URN:ISSN:2342-317X
URI: http://urn.fi/URN:ISBN:978-951-51-1899-8
http://hdl.handle.net/10138/159621
Thesis level: Doctoral dissertation (article-based)
Abstract: Poor micronutrient intake and status (also called hidden hunger ) may compromise the health and work capacity of adolescent girls. In Mozambique, a low-income country with a high rate of adolescent pregnancies, girls poor micronutrient status is also an important risk factor for maternal and child mortality, adverse birth outcomes such as low birth weight, and impaired cognitive performance of the child. The main aims of this thesis were to examine the diet and micronutrient status of adolescent girls in Central Mozambique and to study whether dietary diversity is associated with biomarkers of micronutrient status. The thesis also includes a methodological study assessing the validity of using food photographs in portion size estimation in adolescent Mozambican girls. The validity study on food photographs was conducted in 2009. Two local staple foods and three sauces were selected as test foods and photographs of three different portion sizes were produced for each of them. The participants (99 Mozambican girls aged 13-18 years) were served weighted food portions, and after eating their meal, they were interviewed and asked to estimate the size of their portions with the help of the food photographs. The findings of this study indicated a tendency towards under-estimation of portion sizes. On the group level, the results were acceptable, but large variation in the accuracy of individuals estimates was found. The ZANE Study was conducted in 2010. It was a population-based cross-sectional study on the diet and nutritional status of 14- to 19-year-old girls in Zambézia Province. The study regions included one urban area and two rural districts. Two separate samples of girls were recruited: the first in January-February ( hunger season , n=283) and the second in May-June (harvest season, n=268). A 24-hour dietary recall interview and a seven-day food frequency questionnaire interview were conducted for each participant. Blood and urine samples were collected and blood haemoglobin, serum ferritin, serum zinc, serum selenium, urinary iodine, plasma retinol and serum folate concentrations were analysed. The ZANE Study revealed a low median energy intake calculated from the 24-hour recalls [5.2 MJ/day, interquartile range: 3.6, 7.4 (calculated using sampling weights); n=543]. This is in line with the findings of the validity study and is at least partly explained by under-reporting. Low intakes of several micronutrients and relatively high phytate:zinc molar ratios, typical for diets in low-income settings, were found. Marked seasonal variation was noted for vitamin A intake. According to the World Health Organization definitions, anaemia was a severe public health problem and vitamin A deficiency a moderate public health problem. The serum ferritin concentrations indicated that iron depletion was prevalent in the population. The population was also found to have a risk of zinc deficiency. Folate status was considered to be generally adequate, but an exception to this was the low serum folate concentrations in the urban area in May-June. Mild to moderate iodine deficiency was found in the rural districts, whereas the iodine status of urban girls was adequate. Selenium status was considered adequate. In the last part of the thesis, associations between dietary diversity and low concentrations of haemoglobin and serum/plasma ferritin, zinc, retinol, and folate in non-pregnant girls (n=227 in January-February and n=223 in May-June) were examined in logistic regression models using three different dietary diversity scores. First, the Women s Dietary Diversity Score (WDDS), consisting of nine food groups was calculated from the 24-hour recalls according to instructions by the Food and Agriculture Organization of the United Nations. The second score employed a minimum portion size limit of 15 g (WDDS15g), and the third was based on the seven-day food frequency questionnaires (7dWDDS). The most consistent findings of this work were the associations observed for zinc. In January-February, after adjusting for confounders, a low (≤3) WDDS and a low (≤5) 7dWDDS were each associated with higher odds of having lowserum zinc (≤25th percentile of the season-specific distribution) compared with having a higher score. These associations were not present in May-June. In conclusion, using food photographs in portion size estimation in adolescent Mozambican girls showed an acceptable level of validity. There was, however, a tendency towards under-reporting. In the future, producing and testing more comprehensive sets of locally relevant food photographs will be useful for dietary studies in Sub-Saharan African settings. Hidden hunger was found to be a public health problem among adolescent girls in Central Mozambique. Actions are needed to prevent and control hidden hunger, especially with regard to low iron, zinc, iodine, and vitamin A status. Programmes may need to be tailored according to urban-rural differences in diet and micronutrient status. Some associations between dietary diversity and micronutrient status may exist, especially in the case of zinc. However, the associations seem to be season-specific, which may limit the practical application of dietary diversity scores as tools to identify populations at risk of low micronutrient status.Uma ingestão pobre em micronutrientes (também chamado de "fome oculta"), pode comprometer a saúde e a capacidade de trabalho das meninas adolescentes. Em Moçambique, um país de baixa renda com uma elevada taxa de gravidez na adolescência, a deficiência em micronutrientes nas meninas é também um importante factor de risco para mortalidade materna e infantil, assim como para outros resultados adversos, como o baixo peso ao nascer, e deficiente desempenho cognitivo da criança. Os principais objectivos desta tese foram examinar a qualidade da dieta e os níveis de micronutrientes nas raparigas adolescentes no centro de Moçambique e verificar se a diversidade da dieta está associada aos bio-indicadores de micronutrientes. A tese também incluiu um estudo metodológico com o objectivo de avaliar a validade do uso de fotografias de alimentos (em porções estimadas) em raparigas adolescentes moçambicanas. O estudo de validação das fotografias de alimentos foi realizado em 2009. Dois alimentos básicos locais e três molhos (caril) foram seleccionados como teste e fotografias com três diferentes porções foram elaboradas, para cada porção. Foram servidas refeições pesadas as participantes (99 meninas de 13 a 18 anos de idade) e depois destas comerem a refeição, foram entrevistadas e pedidas a estimarem o tamanho das suas refeições com a ajuda das fotografias das diferentes porções de alimentos. Os resultados deste estudo indicaram uma tendência de subestimação do tamanho das porções. Ao nível do grupo, os resultados foram aceitáveis, mas foi encontrada uma grande variação na precisão das estimativas dos indivíduos. O estudo ZANE foi realizado em 2010. Foi um estudo transversal de base populacional sobre a dieta e o estado nutricional de raparigas, de 14 a 19 anos de idade, na Província da Zambézia. As regiões abrangidas no estudo incluíram uma área urbana e dois distritos rurais. Duas amostras diferentes de raparigas foram selecionadas: a primeira em Janeiro-Fevereiro ("período de fome", n=283) e a segunda em Maio-Junho (época de colheita, n=268). Uma entrevista sobre o consumo alimentar das últimas 24 horas e outra sobre a frequência alimentar dos últimos sete dias foram realizadas a cada participante. Amostras de sangue e de urina foram recolhidas, feitas análise sobre os níveis de hemoglobina no sangue e concentrações de ferritina sérica, zinco sérico, selénio no soro, iodo urinário, retinol no plasma e folato no soro. No estudo ZANE verificou-se que a mediana da ingestão energética, calculada a partir do consumo alimentar das últimas 24 horas, foi baixa [5.2 MJ / dia, intervalo entre os quartis: 3,6-7,4 (calculadas utilizando o peso da amostra); n=543]. Isto está de acordo com as conclusões do estudo de validade e é, pelo menos parcialmente explicado pelo facto das raparigas subestimarem a porção consumida com base nas fotos com as porções de alimentos. A baixa ingestão de vários micronutrientes e relativo altos níveis de relação molar fitato/zinco, típico em dietas em grupos populacionais de baixa renda, foram encontrados. Foi também registada uma variação sazonal na ingestão de vitamina A. Segundo as definições da Organização Mundial de Saúde, a anemia foi identificada como um problema de saúde pública grave enquanto que a deficiência de vitamina A foi consideradas como um problema de saúde pública moderado. As concentrações de ferritina sérica indicaram que a deficiência de ferro é prevalente na população. Também se identificou que a população tem o risco de deficiência de zinco. O estado de folato foram considerados adequado de um modo geral, mas uma excepção foram os baixos níveis de concentrações de folato sérico baixos registados na área urbana no período de Maio-Junho. Deficiência de iodo ligeira a moderada foi encontrada nos distritos rurais, enquanto os níveis de iodo das meninas urbanas era adequada. O estado de selénio foram considerados adequados. Na última parte da tese, as associações entre a diversidade alimentar e baixas concentrações de hemoglobina, ferritina no soro, zinco no soro, retinol no plasma e folato no soro nas raparigas não grávidas (n=227 em Janeiro-Fevereiro e n=223 em Maio-Junho) foram examinados em modelos de regressão logística usando três diferentes pontuações da diversidade alimentar. Na primeira pontuação, a pontuação da diversidade da dieta da mulher (WDDS) consistiu em nove grupos de alimentos calculadas a partir do consumo alimentar das ultimas 24 horas de acordo com as instruções da Organização para Alimentação e Agricultura das Nações Unidas (FAO). A segunda pontuação utilizou um limite mínimo de porção de 15 g (WDDS15g), e o terceira pontuação foi baseada nos questionários de frequência alimentar dos últimos sete dias (7dWDDS). Os resultados mais consistentes deste estudo foram as associações observadas para o zinco. Em Janeiro-Fevereiro, depois do ajuste dos factores de confusão (confunding factors), uma baixa (≤3) WDDS e uma baixa (≤5) 7dWDDS foram, cada um associado com maior chance de ter baixo níveis de zinco sérico (percentil ≤25 da distribuição sazonal específica) em comparação as altas pontuações. Essas associações não se registaram em Maio-Junho. Em conclusão, o uso de fotografias de porção de alimentos em adolescentes Moçambicanas mostrou um nível aceitável de validade. Entretanto, registou-se uma tendência das raparigas subestimarem as porções consumidas. No futuro, a produção e testagem conjuntos mais abrangentes de fotografias relevantes de alimentos locais será útil para estudos sobre dietas em países da África Subsahariana. A fome oculta foi registada como um problema de saúde pública entre as adolescentes no centro de Moçambique. Acções são necessárias para prevenir e controlar a fome oculta, especialmente no que diz respeito aos baixo níveis de ferro, zinco, iodo e de vitamina A. Os programas precisam de ser adaptados respondendo as diferenças urbano-rurais em termos de dieta e níveis de micronutrientes. Alguma relação entre a diversidade da dieta e os níveis de micronutrientes podem existir, especialmente no caso do zinco. Entretanto, esta associação parece ser específicas a estação do ano, o que pode limitar a aplicação prática do instrumento da pontuação da diversidade da dietética para a identificar populações em risco de ter baixos níveis de micronutrientes.
Subject: ravitsemustiede
Rights: This publication is copyrighted. You may download, display and print it for Your own personal use. Commercial use is prohibited.


Files in this item

Total number of downloads: Loading...

Files Size Format View
hiddenhu.pdf 1.471Mb PDF View/Open

This item appears in the following Collection(s)

Show full item record